Pesquisa Pesquisa Área de Utilizador
Fechar pesquisa
Poupa MaisPoupa Mais

Alimentos que não se estragam

Alimentos que não se estragam
Está a organizar a despensa da casa de férias? Quer fazer uma mochila de emergência? Está farto de ir as compras semanalmente? Seja qual for a razão, nada melhor do que saber quando não tem de se preocupar com o prazo de validade. Conheça alguns alimentos que duram mais do que esperaria.
Link copiado

Os dilemas do homem moderno diante do frigorífico são muito diferentes dos seus antepassados preocupados em sobreviver na ida à caça. Hoje, basta-nos abrir a despensa e tirar de lá o almoço. O prazo de validade vem na embalagem (os hortícolas frescos estão dispensados desta obrigação, exibindo apenas a data de embalamento) e não há perigo de comer algo estragado.

Ainda assim, há outras preocupações, como evitar o desperdício, e é bom saber que há alimentos que não se estragam, pelas suas características, têm validade quase infinita se conservados adequadamente. São perfeitos para ter em stock sem medo que se estraguem.

Até que o prazo de validade nos separe

Na maior parte dos alimentos, a menção do prazo de validade no rótulo é obrigatória. Nos que são muito perecíveis, como o iogurte e outros frescos de validade curta, o prazo costuma vir referido com a data limite de consumo (“consumir até…”) para garantir a segurança do consumidor.

Quando a expressão usada é  “consumir antes de…” ou “consumir de preferência antes de…”, como acontece no arroz, nas massas, nas bolachas ou nas conservas, estamos perante uma indicação de data de durabilidade mínima. Ou seja, significa que o prazo é mais alargado (desde que sejam garantidas condições de conservação apropriadas, claro).

Isto ocorre com alimentos que não se degradam de forma tão rápida e que, mesmo passado o prazo de validade, podem ser consumidos com relativa segurança, ainda que possam apresentar alterações de sabor e textura.

Sem rótulos!

Há alimentos dispensados da apresentação do prazo de validade. É o caso das frutas e dos hortícolas frescos, que não tenham sido descascados, cortados ou objeto de outros tratamentos similares.

Também os vinhos, os vinagres, o sal de cozinha e o açúcar em estado sólido, podem vir sem prazo de validade ou com a menção de “validade indefinida” ou “validade ilimitada”.

Dispensados estão ainda produtos de confeitaria compostos quase exclusivamente de açúcares e produtos de pastelaria e padaria que, pela sua natureza, sejam normalmente consumidos no prazo de 24 horas após o fabrico.

Conheça 6 alimentos que não se estragam

1. Açúcar e sal

O sabor não podia ser mais diferente, mas açúcar e sal têm algumas semelhanças, nomeadamente um teor de água quase nulo, o que dificulta o desenvolvimento de microrganismos. Por isso, eram usados antigamente como conservantes de outros alimentos.

Ambos podem durar indefinidamente se forem conservados em boas condições e têm “validade ilimitada”

Para permanecerem em condições ótimas, é essencial deixar a humidade a léguas, o que implica guardá-los hermeticamente fechados, em local seco, ter cuidados de higiene no seu manuseio (não usar colheres sujas, por exemplo) e fechar bem as embalagens depois de as utilizar.

Com a passagem do tempo, pode acontecer ficarem aglomerados em blocos devido à humidade, mas, ainda assim, podem ser consumidos em segurança.

2. Vinagre

Não há micro-organismo que resista ao teor de acidez do vinagre, razão porque é outro produto com prazo de validade ilimitado. Este tempero milenar fabricado a partir da fermentação do álcool ou do açúcar presente em produtos tão variados como o vinho, a maçã, o arroz, a cana de açúcar ou a ameixa, ganha a acidez característica graças à ação de uma bactéria. É este detalhe que faz com que, ao contrário do vinho, o vinagre permaneça bom para consumo por tempo indefinido.

O vinagre branco destilado é o mais puro e também aquele capaz de durar mais tempo sem qualquer alteração. Outros poderão ganhar depósito e perder alguma acidez, mas, ainda assim, continuar bons para temperar saladas.

3. Arroz

Perfeito para comprar em promoção e guardar, o arroz é um dos produtos que tipicamente vem com indicação “Consumir antes do fim de…”, o que significa que tem prazo alargado. Na verdade, a menção é apenas indicativa.

O arroz, sobretudo o branco, mas também o selvagem, arbóreo ou jasmim, tem tudo para permanecer comestível durante muitos anos.

Mais uma vez, o segredo é estar hermeticamente fechado para ficar a salvo de humidade, pó e insetos. Infelizmente, a proeza não vale para o arroz integral, porque o teor mais elevado de óleos que contém torna-o mais vulnerável.

4. Feijões secos

Além de serem muito nutritivos, os feijões secos podem durar algumas décadas (30 anos, de acordo com um estudo da universidade de Brigham Young!) e permanecer comestíveis, ainda que a qualidade nutricional vá diminuindo.

Apesar disso, será preferível comê-los em tempo útil, seguindo a indicação de validade da embalagem, em vez de os deixar como herança, já que, com o tempo, tendem a secar e demorarão muito a cozinhar.

Guarde-os bem fechados, num local fresco e seco, longe da luz, para preservarem as propriedades.

5. Bebidas espirituosas

Ao contrário dos feijões este é um campo onde as heranças poderiam ser bem vindas, mas muito vai depender da bebida. O álcool puro tem validade indefinida, por isso, à partida, quanto maior o teor alcoólico de uma bebida maior o potencial para durar, dependendo, também, dos outros ingredientes presentes. Vodka, rum, whisky, gin, brandy ou tequila, são bebidas destiladas que podem durar indefinidamente.

Ao contrário do vinho, não “envelhecem” na garrafa, pelo que as suas características permanecem as mesmas ao longo do tempo.

Depois de abrir, a história é outra: lentamente, o álcool irá começar a evaporar e poderá haver oxidação passados 6 a 8 meses, o que faz o sabor alterar-se, mas, ainda assim, pode brindar sem perigo.

6. Café instantâneo

Ao contrário dos grãos de café moídos na hora ou do café moído embalado, o café instantâneo é um produto desidratado, ou seja, não contém humidade, o que faz com que seja capaz de salvar-nos da sonolência até 20 anos depois de o termos comprado, ainda que o sabor possa não estar tão… jovem.

Se o guardar no frigorífico a duração pode estender-se indefinidamente, sempre contando que esteja hermeticamente fechado.

Para saber mais sobre conservação de alimentos consulte as nossas técnicas de cozinha: como esterilizar frascos, como congelar ervas aromáticas.

Explore também a coleção de receitas sem desperdício alimentar.

Tome nota
  • • Mesmo dentro do prazo, um alimento pode deteriorar-se rapidamente se for sujeito a uma manipulação ou conservação deficientes (calor ou contaminação).
  • • Independentemente do prazo, deve confiar na análise sensorial. Cheiro, cor e aspecto diferentes são sinal de que alguma modificação ocorreu, o que requer cuidados acrescidos no consumo.
  • Latas ou embalagens empoladas devem ser rejeitadas, já que este "inchaço" é um provável indício da existência de dióxido de carbono no interior, uma reacção que se dá quando há proliferação de microorganismos.
Receba novas receitas todas as semanas
Subscrever newsletter
Já tem a sua revista Sabe Bem?
Comprar revistaLink externo
De momento não foi possível processar o seu pedido, por favor tente mais tarde

É tão bom
encontrar-nos assim.

Em qualquer lado.

Encontre-nos em: